Pesquisar este blog

Carregando...

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Desenvolvimento de sistemas sob encomenda para empresas de qualquer tamanho, qualquer área de atuação, e qualquer lugar do Brasil.


Mais informações em http://www.mugnatto.com


Se sua empresa de qualquer tamanho precisa de um software de gestão desenvolvido sob medida para a sua necessidade específica, encontrou o profissional certo.    

Não importa o tamanho do seu projeto. Utilizo metodologia já extremamente bem sucedida para organizar o desenvolvimento de sistemas de qualquer tamanho. Um sistema grande apenas demora mais para ficar pronto que um pequeno, mas é possível priorizar funcionalidades à vontade. Além disso o preço cabe no orçamento de qualquer empresa, pois, além de ser o mais barato possível dentro da realidade do desenvolvimento de um sistema sob encomenda, é possível também parcelar o pagamento à vontade. Para dar uma idéia, um cadastro completo (7 pontos de função) com listagem, alteração, inserção, deleção, filtros para buscas, e ordenação por qualquer campo, custa R$ 210,00, e muitas das possíveis pequenas alterações posteriores, como a adição de um novo campo, não são cobradas. 
   
Seu sistema poderá tanto rodar restrito à rede local de sua empresa como também em nuvem, protegido com criptografia SSL. No caso de computação em nuvem basta que cada máquina tenha acesso a Internet, dispensando custos de manutenção de infraestrutura de rede e servidores, e possibilitando integração sem atritos entre filiais. O sistema poderá ser acessado através de qualquer sistema operacional, inclusive smartphones.  

Algumas das funcionalidades já implementadas nos sistemas em ambiente Web (intranet ou internet) que desenvolvi incluem:

- Customização de temas de layout 
- Envio de alerta para clientes por SMS e por e-mail
- Relatórios com tags e editor de layout
- Importação e exportação para Excel
- Importação de arquivos de cobrança
- Captura de imagem via webcam
- Interface customizada para uso em dispositivos móveis
- Campo textual com busca do tipo auto-complete
- Gráficos estatísticos nos mais diferentes formatos
- Área para acesso público e por clientes
- Uso de SSL para criptografia dos dados via Internet de forma padrão em todos os meus sistemas   

Enfim, seu sistema poderá ter todas as características das mais modernas aplicações em nuvem, e com qualidade de primeiro mundo.    

Peça demonstrações e referências, e comprove.  


Mais informações em http://www.mugnatto.com


terça-feira, 27 de dezembro de 2011

terça-feira, 18 de outubro de 2011

O impacto da computação em nuvem no mercado de trabalho

Outro dia li um comentário de um chefe de desenvolvimento de sistemas dizendo que profissionais de suporte e programadores estavam "com os dias contados por causa da computação em nuvem". Fiquei tentando entender o porque de incluir programadores nisso aí... Bem, sei que muita gente reza pra chegar esse dia, mas acho que não faz nem o menor sentido afirmar que seria desta vez que o emprego dos programadores estaria ameaçado.

O software como serviço, que também precisa de programadores para ser feito, não é diferente do tradicional software em pacote fechado. Ele atende a um público alvo mais geral, entretanto nunca satisfaz plenamente, e é por esse motivo que sempre alguma empresa quer um software sob medida, e contrata diretamente o programador para fazê-lo. Isso não muda, e, ao passar a ser vendido como um serviço ao invés de um produto de prateleira, acho que essa nova modalidade acaba sendo até um incentivo a mais para muitos optarem pelo software por encomenda, pois muito provavelmente se passará a cobrar mensalidade ao invés de deixar por conta do usuário a decisão de atualizar ou não para uma nova versão, o que diminui a distância, em termos de custo, entre os dois tipos de software.

Para os programadores em si só muda o fato de que é cada vez mais fácil trabalhar em qualquer lugar. Tendo acesso ao servidor via Internet, não tem mais tanta diferença estar dentro da própria empresa consumidora, em uma "fábrica de software", ou mesmo em casa.

Mas com a outra parte do comentário eu sou obrigado a concordar: o que será dos profissionais de suporte a redes e também dos administradores de bancos de dados? Estes serão cada vez menos requisitados. Claro que os provedores de hospedagem na nuvem precisarão, e muito, deles, mas, se considerarmos que cada provedor, usando uma mesma infraestrutura, atende a centenas de empresas ao mesmo tempo, obviamente o número necessário de profissionais com estas especialidades tende a diminuir, afinal esta é justamente uma das grandes vantagens da nuvem: diminuir os custos de manutenção de redes locais, incluindo aí os bancos de dados.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

A "Web" está morrendo?

Embora eu já esteja um tanto viciado em aplicações instaláveis para smartphones, eu discordo da visão da Wired -que só li hoje- de que a tendência seja ao "fechamento" das coisas em contraposição à arquitetura aberta.

Ora, a vitória da clonagem de PCs sobre o IBM PS/2 e sua tentativa fracassada de retomar o controle sobre o mercado de PC, que permaneceu uma arquitetura aberta por todos esses 30 anos, não é uma prova de que o aberto vence? E a vitória da Internet, com conteúdo aberto a todos, sobre as "ilhas isoladas" das BBSs e dos portais do tipo AOL também não são? Pra mim é bastante claro que o que impediu o Linux de vencer o Windows foi tão somente o fato de o Linux ter vindo bem depois do Windows já fazer muito sucesso. Veio tarde demais. Mas agora, no novo mundo dos smartphones, tudo indica que é o padrão aberto, o Android, que vingará sobre os concorrentes fechados.

Desde que a Apple, que sempre foi a megaempresa mais "fechada" do mundo da tecnologia, começou com essa coisa de app para iPhone, eu sempre vi isso como uma situação temporária que é necessária no momento atual devido à "lentidão a mais" dos dispositivos móveis em relação a plataformas como o PC, o que os torna incapazes de rodar, por exemplo, sites em HTML5 em sua plenitude. A Google no caso não tinha outra escolha senão participar deste mercado, mas na medida em que os smartphones ganharem mais poderes as vantagens das aplicações rodarem na nuvem irão ressurgir. Hoje eu ainda não consigo rodar, sem ter que reinstalar, uma mesma coisa que rodo em um dado smartphone ou tablet, em outro smartphone ou tablet, não consigo nem mesmo compartilhar as configurações das aplicações entre diferentes smartphones. Me parece bastante óbvio que isso é algo que falta no mundo das apps móveis, e que quando aparecer ninguém conseguirá viver sem isso, e então teremos de volta as aplicações todas rodando na própria nuvem, não há porque não ser assim. Na verdade a computação em nuvem mal teve tempo de decolar de verdade, e portanto as aplicações rodarem offline nos dispositivos móveis é apenas resquício dos métodos antigos de software em pacote instalável, que na verdade ainda não tiveram tempo suficiente para "ficarem para trás".

E que venha o Chrome para Android!