Pesquisar este blog

segunda-feira, 5 de janeiro de 2004

Cá estamos em 2004. Será que minhas previsões em informática irão se concretizar? Para quem ainda não leu, visite minha home page e vá em biografia. Lá tem as previsões que fiz em 2002. Vi mais uma reportagem dizendo que estamos perto do "papel digital". Eu acredito sim que um dia o papel digital vai substituir os livros, contra a crença de muitos que julgam ser impossível ou muito longinqua a troca. Imagine quando voce tiver um dispositivo portátil de preço acessível que acesse a Internet em alta velocidade onde quer que você esteja, e estamos perto disso. Voce terá automaticamente acesso a qualquer livro que quiser para download. O Kazaa/Emule já está abarrotado de livros de todos os tipos. Voce não precisará de uma biblioteca em casa. E como texto é o tipo de dado que menos ocupa memória, vai ser tão facil baixar os livros que quiser a qualquer hora e em qualquer lugar que duvido que não façam a troca. Concordo que a tela tem que melhorar, mas o papel digital, com flexibilidade e tudo, ainda virá.

E os mundos em 3D? Visitei de novo, mais uma vez depois de anos, o site da ActiveWorlds, especializada em mundos virtuais em 3D. O conceito dela é realmente de um novo browser, um browser de realidade virtual. Acredito que ainda vai se tornar o padrão.

Eu pensei em patentear uma invenção. Pensei em patentear um quiosque para uso em locais públicos que permitiria ao usuario de um player portátil de MP3 escolher e baixar músicas para o player. Que ingenuidade a minha. Claro que já estava patenteado e por ninguem menos que a Sony (descobri fazendo um search em um procurador de patentes da Internet) desde 2000. Um quiosque possibilitaria aos analfabetos digitais, que não tem computador, mas que tem CD player, tambem entrarem para o mundo da música em arquivo, quando os players de MP3 se tornarem baratos. Os quiosques rapidamente substituiriam as lojas de discos. Isso é bom ou ruim? Não estou julgando. Mas acho que vai ser o último suspiro da industria fonográfica quanto a venda de faixas musicais.

É isso aí. O que você acha dos meus textos? Comente!

Nenhum comentário: