Pesquisar este blog

terça-feira, 3 de fevereiro de 2004

O virus MyDoom expos um ponto fraco da Internet. Um analista disse que "perdeu a crença na educação", e com razão. De fato sempre haverão pessoas que não aprenderão. A prova é o MyDoom. Mesmo depois de tanta gente falar pra todo lado que não se deve abrir arquivos anexados com determinadas extensões e sem ter total certeza do que se trata, mesmo depois dos programas de email como o Outlook incorporarem mensagens de aviso dos perigos de se abrir os anexos, ainda assim esse novo virus bateu todos os recordes de infecção. Antigamente eu achava que isso dependia da idade da pessoa, que as novas gerações por se acostumarem desde criança com o computador iriam até dispensar profissionais de informática como eu. Ledo engano. Isso nunca irá acontecer e me convenci plenamente disso, pois o fato é que informática exige muita especialização. Nunca será uma coisa para todos. A pessoa tem que ter informática como atividade principal de sua vida para não depender de quem a tem assim.
Mas voltando ao ponto fraco da INternet, o problema e´sério. Os sites estão fragilizados. Se você quer derrubar um site, mesmo que temporariamente, você pode. Segundo um analista de segurança afirmou em reportagem na Reuters é isso que o MyDoom expôs para as pessoas má intencionadas. Políticos e empresas podem começar a ver nisso uma maneira de se atrapalhar os rivais, agora que a Internet virou um meio de comunicação e marketing importante. O problema pode atingir principalmente os sites menores, que contam com pouca largura de banda em seus servidores. São milhares de micros pelo mundo infectados, e atacando sites sem que seus usuários saibam disso, o que deixa o autor do virus no anonimato. Como o virus não faz nada além de simplesmente "abrir" a página principal do site, não há como bloquear os acessos específicos do virus, senão isso iria impedir pessoas "de bem" de visitarem o site, o que seria o mesmo que derrubá-lo. Só apagando o virus de cada uma das máquinas infectadas é que se pode impedir que o ataque continue.