Pesquisar este blog

quinta-feira, 8 de julho de 2004

Eu estava pensando sobre o e-paper agora a pouco, o papel eletrônico, que começa a ficar cada vez mais convincente graças a lançamentos que estão tornado a leitura de textos em formato digital tão agradável quanto em papel convencional. Trata-se de algo muitíssimo falado, porém muitissimo desacreditado, mas que na minha opinião será uma das explosões de sucesso mais instantâneas da história da informática. Os e-papers convincentes estão chegando. Há alguns bons protótipos e um bom produto no mercado, o e-book da Sony. Mas parece que é bom só em tecnologia, porque a Sony só deixa ler os livros digitais que ela própria vende, e não parece ser um bom serviço de venda de e-books pelo que eu tenho lido na Internet. Mas quando um e-paper convincente e de preço acessível for lançado, permitindo ler qualquer tipo de arquivo texto, aí sim assistiremos a uma revolução realmente incrível. Porque? O "problema" é que arquivo texto já é algo super-pequeno, e portanto um livro inteiro pode ser baixado rapidamente pela Internet. Os micro-HDs que existem hoje já seriam capazes de guardar uma biblioteca inteira. Toda uma estante de livros em um dispositivo portátil, para ser levado aonde quiser. As vantagens de se manusear um livro digital em comparação com o livro em papel são óbvias. Com a facilidade de um search, um determinado título ou texto pode ser encontrado rapidamente, mesmo em uma vasta biblioteca. Copiar trechos dos textos e colar aonde quiser, marcar páginas, marcar textos para enfatizar trechos importantes, inserir comentários relacionados ao texto, tudo digitalmente. Essas serão outras facilidades que farão com que o e-book seja tão indispensável quanto o processador de texto, que anos atrás aposentou de vez a máquina de escrever. O e-paper que vem sendo anunciado mantém a imagem inclusive com o dispositivo desligado, indicando que se trata de uma "alteração física" na tela, que é o que garante uma visualização agradável aos olhos, como aquelas "lousas mágicas" famosas nos anos 80. Será várias vezes mais difícil para a indústria dos impressos controlar a pirataria do que é para a indústria musical. Cópias Xerox tem vários inconvenientes, mais ou menos da mesma forma que fitas K7, no entanto cópias digitais de textos simplesmente irão tornar o livro e a revista em papel convencional uma coisa ridícula.

Nenhum comentário: