Pesquisar este blog

quinta-feira, 11 de novembro de 2004

Outro dia tentei cantar pela terceira vez em uma banda de rock (na verdade rock é falta de opção, pois é difícil demais encontrar gente disposta a tocar outros estilos), mas cheguei a conclusão de que todas elas tem o mesmo problema. Em primeiro lugar eles sempre querem a voz rasgada do Axl Rose, que eu poderia até tentar me aproximar, mas eu pessoalmente quero cuidar de saúde vocal e cantar, não berrar. Já viu o Axl ao vivo? Na minha opinião é um lixo. Pra mim o estilo da banda e as músicas devem ser adaptadas ao cantor, e não o contrário. Deve-se aproveitar o material que se tem na mão, e não ficar dispensando as qualidades vocais que passam pelo microfone deles. Mas o maior dos problemas dessas bandas é que os instrumentistas querem na maioria das vezes apenas curtir, então não trabalham a música, simplesmente tocam porque estão loucos para tocar, e nisso deixam o volume dos instrumentos nas alturas e o vocal relativamente lá em baixo. O resultado é que o vocalista é obrigado a ficar gritando, e não há dinâmica nem ajuste de timbre. No caso eu bem que insisti pros caras baixarem o volume dos instrumentos, mas foi impossível. Pra mim é o vocal que "leva" a música, e os instrumentos são meros "acompanhamentos". Mas ao invés de pararem de tocar ou improvisarem quando eu erro alguma coisa, eles continuam tocando como se nada tivesse acontecido, e o vocalista que se vire.

Já estou decidido a fazer do computador a minha banda. Meus planos incluem comprar uma cabine audiométrica (quando eu finalmente tiver R$ 1.500,0o sobrando heheh) para total isolamento do som, e assim poderei fazer gravações com o acompanhamento do computador. Eu brinco muito com softwares sequencers como Cubase, Reason e Sonar. Eles são muito poderosos permitindo de fato substituir de tudo. E o computador vai deixar os instrumentos no volume que eu quiser, parar e repetir na hora que eu quiser, tocar a música que eu quiser, etc, etc, etc.... É óbvio que o computador perde o gostinho de tocar com uma banda real, mas vai suprir minhas necessidades neste momento.

Coisa que o computador não substitui de jeito nenhum é o vocal. heheh... Lembrei do meio-fiasco que é o Vocaloid, da Yamaha. O programa se propõe a fazer o computador cantar igual ao ser humano, mas até hoje não vi um exemplo sequer que fosse convincente. Daria ate´pra ser usado em alguns backing vocals ou para efeitos em músicas mais eletrônicas, mas ainda emite um som um tanto robótico.

OBSERVAÇÃO!
Heheheh... Eu criticando sobre música... Ainda não boto essa banca toda não. Pra falar a verdade eu nunca nem sequer ouvi a minha voz gravada! Mas sei lá, cantar pra mim é um sonho que acho que vou sempre lutar pra conquistar, e mesmo ainda me considerando totalmente leigo gosto de compartilhar essa minha jornada.

Alias é interessante como se aprende as coisas mais depressa criticando e lendo críticas. É assim comigo no computador, na fotografia e a na música. Tem que perder o medo de se envolver. To certo ou to errado?

Nenhum comentário: