Pesquisar este blog

segunda-feira, 3 de abril de 2006

O IE 7 não inova muita coisa. Ele está mais para uma atualização destinada apenas a "não ficar para tras do Firefox". Eu tenho certeza de que a Microsoft poderia lançar algo muito mais revolucionário depois de ter ficado tanto tempo parada no IE6, algo como uma verdadeira plataforma para aplicações Web, talvez um novo protocolo na Internet ao invés de Web. No entanto ao que tudo indica a empresa decidiu seguir o mesmo caminho que adotou em relação ao ambiente de interface gráfica nos anos 80. Naquela época a maioria dos PCs ainda rodavam DOS, mas enquanto isso Apple iniciava sua carreira de "coisa para elite" com o Macintosh. A Microsoft percebeu rapidamente que a interface gráfica era o futuro, tanto que a empresa tinha dois sistemas operacionais de ambiente gráfico, o OS/2, que inicialmente era feito junto com a IBM mas depois se tornou um produto Microsoft independente (a IBM também manteve uma versão a parte), e o Windows. O detalhe é que o Windows na época não era exatamente um sistema operacional, mas sim uma interface gráfica para o DOS, enquanto que o OS/2 era sim stand-alone e podia ser realmente comparado com o Macintosh. Nenhum dos OS/2 decolou, nem o da IBM nem o da Microsoft, mas o "ambiente gráfico" Windows sim, e rapidamente passou a frente do Macintosh como ambiente gráfico mais utilizado, a partir do inicio dos anos 90. A conclusão que a maioria dos analistas chega é de que o mundo demorou muito mais do que se esperava para adotar o ambiente gráfico. O mundo não estava preparado para o poder e custo do Macintosh. Portanto o Windows pode ter sido sempre uma "cópia atrasada" do sistema da Apple, mas sempre esteve muito mais adequado a realidade, mais "no lugar e hora certos".

Repetindo a história, a Microsoft parece não querer arriscar um grande passo em relação a Web 2.0. Ao invés disso ela se concentra em seguir os passos que vão sendo dados pela comunidade das aplicações Web. Assim como o ambiente gráfico de sucesso surgiu a partir do ambiente caractere do DOS, a plataforma de aplicações Web de sucesso tem mais chances de surgir a partir da Web convencional, que já é utilizada e compreendida por 100% dos usuários. De qualquer forma faz falta nessa nova história uma "Apple", uma empresa que lance algo realmente novo porém "antes da hora".

E me ocorre que a própria Apple poderia ser essa empresa...

A Apple sabe que o sucesso do iPod não é para sempre, e, no meu ver, mostra que já não vê mais o Macintosh como "o grande produto". Não consigo deixar de ver esse negócio de adotar Intel como sendo uma espécie de "aposentadoria" da plataforma. Posso estar completamente enganado, já que o "fim do Macintosh" já foi anunciado inúmeras vezes e nunca aconteceu, mas é essa a sensação.

Qual seria o produto inovador que poderia manter a Apple firme em sua posição de elite? Que tal um iNet? Sabemos que a Apple é uma empresa muito mais de hardware do que de software. Seus softwares são ótimos, mas a galinha dos ovos de ouro da empresa é sempre o hardware. No caso do iPod isso não é diferente pois se percebe que as músicas do iTunes (software) servem apenas para fazer vender mais players portáteis.

O iNet seria um computador totalmente voltado para a Internet, com um sistema operacional online feito para rodar exclusivamente Web aplications. Algo a frente do seu tempo, tal qual o Macintosh, coisa de elite, mas que poderia fazer os pessimistas errarem mais uma vez em relação a Apple...

Nenhum comentário: