Pesquisar este blog

segunda-feira, 3 de abril de 2006

Segue texto que postei como comentário de uma notícia do site Meiobit, contestando a ida do homem a Lua.

Nossa... post de 2004...

Você vê como são as coisas... até hoje tanta gente que não acredita que o homem foi a Lua, e isso porque temos aviões a jato como os de hoje desde 1952, com o lançamento do 707. Note que o avião comercial levou apenas 50 anos para chegar ao ponto em que está hoje, mas depois disso, 50 anos mais tarde, muito pouco evoluiu (a aviação tem 100 anos no total). Na verdade houve uma evolução, pasmem, vinda da França, e depois, como a França não "apita" nada, um retrocesso. O Concorde é um avião de passageiros tão mais rápido que os boeings que certamente pode ser considerado uma evolução, mas ele acabou. Porque não evoluíram mais em cima do Concorde? A verdade, meus caros, embora muitos vão discordar de mim, é que estamos andando a passos de tartaruga em relação a velocidade em que poderíamos estar em matéria de evolução tecnológica. Pra mim está bem claro que a tecnologia evoluiu várias vezes mais rápido durante a guerra fria contra a URSS. Nos anos, pasmem, 60, o homem foi a Lua 6 vezes como alguem aí falou, e, depois disso, o que se tem em matéria de grandes explorações espaciais? É por isso que é de certa forma "fácil" de acreditarem que nunca foi a Lua, pois depois de ter ido, nós estamos desde então numa estagnação simplesmente impressionante, e fica estranho imaginar que o homem tenha ido a Lua nos anos 60 (!!!). Eu respondo a pergunta do colega aí (porque o homem não se interessa mais em ir a Lua) da seguinte forma: o que realmente fez nós chegarmos na maioria destas tecnologias citadas foi justamente as grandes viagens espaciais. A maioria destas descobertas foram possíveis graças a tecnologia desenvolvida pela NASA em sua época de ouro, movida pela guerra fria. O interesse dos governos pelas grandes viagens é que diminuiu, na mesma medida em que a URSS foi entrando em decadência, e isso se reflete no interesse do povo também. Sei que agora serei ainda mais polêmico para muitos, mas o fato é que o governo americano sempre controlou até certo ponto os meios de formação de opinião. Sempre houveram "recomendações" do governo americano quanto ao que é apresentado por Hollywood por exemplo. Os filmes da época de ouro da NASA (coincidentemente ou não também época de ouro da guerra fria), como o "2001", se voltavam claramente para fazer-nos sonhar em sermos astronautas. A moda hoje é outra, os filmes de ficção estão mais para mostrar desastres espaciais ou exploração terrestre que qualquer outra coisa, e certamente não é a toa. Veja por exemplo Independency day e "A guerra dos mundos". Tratam-se de filmes que estimulam uma visão de que temos que nos voltar para a preservação do nosso planeta em si, e que viagens interplanetárias não são coisas nossas, mas sim de ETs maus e sedentos por apenas explorar o nosso planeta. Embora a URSS já estivesse em declínio nesta época, isso é bem diferente de filmes como ET, o extraterrestre, e contatos imediatos, nos anos 80 e 70, que exibiam de uma forma muito mais romantizada. As crianças até os anos 80 sonhavam em serem astronautas, hoje nem mesmo a ida de um brasileiro ao espaço parece fazer tanto efeito, pelo menos certamente não tanto quanto faria na época do "cometa Halley", pode ter certeza.

Nenhum comentário: