Pesquisar este blog

sábado, 1 de julho de 2006

Microsoft seguindo o exemplo da indústria fonográfica?

Um dos grandes assuntos do momento é o tal do WGA, Windows Genuine Advantage, que se comunica com a Microsoft via Internet e exibe mensagens dizendo que o Windows do usuário é pirata e tal, sendo de fato um spyware que lembra também os famosos CDs de música da Sony que instalam programas espiões no computador para evitar a cópia das faixas.

Como eu sempre falei, no meu ver a indústria fonográfica não liga para a má imagem que acaba passando com o terrorismo que ela faz através dos milhares de processos na justiça movidos contra pessoas comuns que baixam músicas na Internet usando programas como o KaZaA, pois sabe que o fim das coisas como atualmente são é inevitável. O fim da venda de álbuns musicais com 15 faixas acontecerá de qualquer forma, então o que resta para as gravadoras, já acostumadas com este modo de lucrar, é ganhar o quanto der, enquanto der.

Talvez essas medidas da Microsoft sejam mais um sinal das mudanças que estão ocorrendo com a vinda da Web 2.0, que prevê um fim inevitável para o software em pacote, que sempre foi o meio de sobrevivência e crescimento da Microsoft. A empresa pode ter de fato resolvido "chutar o balde" e aproveitar o atual quase-monopólio dos sistemas operacionais para fazer mais ou menos o mesmo que a indústria fonográfica, e ganhar o quanto der, enquanto der. Claro que o usuário mais experiente sempre dá um jeitinho, seja no software ou na música, mas essas táticas tem como alvo o consumidor mais leigo, que acaba pagando não só o preço dos produtos, mas também com a "chateação" proporcionada por esses esquemas de segurança.

Quanto ao Linux, a Microsoft sabe que a ameaça dele é tão grande quanto é para a indústria fonográfica a ameaça dos artistas independentes, que lançam suas músicas em MP3 na Internet: até que o grande público se apegue a eles, deixando as Britney Spears de lado, já terá dado tempo de as novas tendências terem virado as regras do avesso. Portanto, simplesmente, não faz diferença...

Nenhum comentário: