Pesquisar este blog

terça-feira, 29 de agosto de 2006

Nova interface do Office? Windows Vista? Coisas do passado...

Complementando meu post anterior, declaro aqui que não estou me importando com as tentativas da Microsoft de manter seus velhos e seguros métodos de ganhar dinheiro. O Windows Vista no meu ver já vai nascer arcaico. Vejo a nova interface do Office como uma tentativa desesperada de manter o software em pacote de pé. A Microsoft se mostra claramente relutante em relação aos inevitáveis novos tempos. A empresa manteve o Internet Explorer inalterado por tempo demais, e agora com o IE 7 se limitou a acompanhar o Firefox, apenas para não ficar para trás. Ora, o browser como ele é até hoje é um software relativamente simples, que já poderia estar muito mais evoluído, não fosse a clara intenção (na minha opinião, é claro) da monopolista de mantê-lo parado no tempo, para que os mentores da Web 2.0 não se empolguem muito e o inevitável demore mais para acontecer: o fim do software em pacote, galinha dos ovos de ouro da Microsoft desde os seus primórdios. Sendo sua vontade ou não, a Web 2.0 explode, e, agora, a Microsoft tenta de todas as formas se mostrar "antenada", inclusive anunciando a substituição de Bill Gates por um cara famoso por suas iniciativas voltadas para a nova era. No entanto essas iniciativas tentam convencer que o caminho é uma integração entre o desktop e o online, e não a substituição completa de um pelo outro, o que apenas representa ainda mais atraso na evolução. E essa visão agrada a muitos, pois é fácil perceber que toda novidade sempre enfrentou resistencia  de grande parte das pessoas, inclusive das que trabalham com tecnologia. Foi assim na transição do mainframe para o micro, do DOS para o Windows, do filme para o digital, do CD para o MP3, etc.

Muitos só aceitam as coisas depois que elas são "mainstream". Resistem enquanto podem, se apoiando em novas caras para as mesmas velhas fórmulas, só para não terem que mudar de verdade. Já eu prefiro ser vanguarda da vanguarda. É a escolha de cada um. E por isso prefiro me ligar nos sites Web 2.0 que pipocam a cada dia do que me preocupar em baixar o último beta do Windows Vista, que mesmo assim eu baixei e achei legal, mas sinceramente me passou uma imagem de coisa desgastada. Esse peso de gigabytes nos nossos HDs, milhares de arquivos sendo obscuramente copiados e instalações demoradas já teve seu tempo. Não me importa mais as picuinhas de "features" que a Microsoft vai manter ou retirar da versão final do Windows Vista. Seja bem vinda a cara limpa, simples e funcional da Web 2.0. 

segunda-feira, 28 de agosto de 2006

Adeus ao Office Desktop?

Tomei uma decisão hoje: desinstalei todos os softwares tipo Office e leitor de email que eu tinha no meu HD e vou passar a usar somente aplicações online como o www.zoho.com, Writely, webmail, etc. Nem estava com problemas de espaço não, mas cheguei a conclusão de que o futuro é online mesmo, e eu sou assim né, aficcionado pelas novidades tecnológicas, especialmente aquelas que as pessoas comuns ainda nem se deram conta, mas que eu modéstia a parte sei que um dia elas usarão. 
 
Cito como exemplo a câmera digital, que eu usei já na época em que as pessoas olhavam eu fotografar e não entendiam nada, achavam que se tratava de uma filmadora extremamente pequena ou algo do tipo. Também a linguagem visual, mais especificamente Visual Basic, que eu usei em sua versão 1.0, na época que todo mundo achava que o Windows só servia pra brincar e nem se pensava em usa-lo (sim, o sistema operacional) na empresa. Ou também o MP3. Eu tive o segundo player de MP3 que existiu na história, o NOMAD Jukebox de 6GB, muito antes do lançamento do primeiro iPod pela Apple... E todas essas coisas eu tive certeza, mesmo antes de usa-las, que seriam "o futuro".
 
Este post  serve também pra testar o envio de posts via email, que eu só descobri que existe hoje.   

sábado, 19 de agosto de 2006

Todas as minhas fotos, finalmente online!

Na minha busca por um site gratuito de hospedagem de fotos encontrei o PhotoBucket, único até agora que me permitiu postar todas as minhas 300 fotos selecionadas. Portanto finalmente estou com todas elas online aqui.

domingo, 6 de agosto de 2006

Browser não sabe nem baixar arquivo

Um dos recursos mais ridículos dos browsers é uma das coisas mais básicas deles: o download de arquivos. Tudo bem que não suporte resume de maneira satisfatória, mas como pode um download mais lento ser interrompido na metade do caminho como se tivesse terminado normalmente, com mensagens como "Download concluído"? Ora, o browser sabe o tamanho do arquivo correto, tanto que mostra o tamanho total enquanto baixa, mas mesmo assim não sabe se chegou no fim ou não? E o pior é que isso acontece tanto no Internet Explorer quanto no Firefox. Ainda pior é o fato de que se você tentar baixar o arquivo novamente, o browser "pensa" que ele já foi baixado e simplesmente não reinicia o download! Mesmo se você apagar o arquivo ele pega o arquivo incompleto que está no buffer, obrigando a gente a limpar os arquivos temporários do browser. Uma VERGONHA! Taí uma boa dica para o pessoal do Firefox. Porque não fazer um gerenciamento de download decente no browser open-source, com resume "de gente" e reconhecendo que não baixou o arquivo inteiro? Isso é certamente FÁCIL DE FAZER (para quem já está envolvido no projeto e sabe as linguagens utilizadas) e seria um DIFERENCIAL GIGANTE em relação ao Internet Explorer.

quinta-feira, 3 de agosto de 2006

ASUS melhor que PCChips? Tenho minhas dúvidas

Sempre ouvi dizer que "ASUS é uma boa placa mãe, e PCChips é uma m****". Após possuir várias PCChips, meu computador atual finalmente está baseado em uma placa ASUS, há mais ou menos 1 ano. Sim, os componentes das PCChips tinham qualidade um pouco pior. O som integrado por exemplo tinha muito ruído. No entanto, perdi a conta de quantas vezes tive que tirar a bateria da ASUS para poder bootar o sistema, que deu muito problema com a minha placa de vídeo nVidia. Só consegui sistema estável após, pasmem, manter uma segunda placa de vídeo conectada em um slot PCI. Isso mesmo, eu tenho que deixar a placa de vídeo antiga lá, mesmo sem nenhum monitor conectado nela, junto com a nVidia, para que o sistema funcione. Ridículo não? A mesma placa de vídeo em outras placas-mãe não dá problemas.

A mesma coisa sempre aconteceu comigo em relação a HDs. Todo mundo diz que "Seagate é maravilhoso" e "Maxtor é o pior". Comigo é exatamente o contrário. Já tive dezenas de Seagates desde os primórdios, quando meu HD tinha 40MB (sim, megabytes). Sabe o que é "todos"? Todos os meus Seagate se corromperam e pararam de funcionar. Agora, sabe o que é "nenhum"? Nenhum dos vários Maxtor que tive deu problemas comigo até hoje. Atualmente estou com o meu Maxtor mais novo, da época ligeiramente anterior a venda da marca para a Seagate, de 200GB, como drive D, e mantive o meu Maxtor de anos de idade, de 80GB, como drive C, para não perder a instalação do sistema operacional que já estava no meu PC anterior. Mesmo antigo e sendo usado para o sistema operacional, ou seja, sendo usado exaustivamente, o HD de 80 continua funcionando que é uma beleza. É pena que a Maxtor tenha sido vendida para a Seagate...

Será que esses políticos entendem algo do que estão fazendo?

Segundo as notícias, sob a desculpa de ser contra a pedofilia, os EUA aprovaram lei para banir qualquer site com características de "rede de relacionamento", tal como blogs, redes de relacionamento, e chatrooms, em escolas e bibliotecas. O que eu pergunto é se isso adiantará alguma coisa num futuro próximo. Ora, no meu celular considerado "popular", o mais barato do mercado, eu já acesso WAP. Sim, é um serviço caro e limitado, mas é um sinal dos tempos. Nos EUA N projetos prometem Internet sem fio gratuita em cidades inteiras. Não demorará muito para todos terem acesso completo a Internet em dispositivos portáteis. O mesmo vale para as empresas. O que elas farão para continuarem a controlar o uso de Internet feito por seus funcionários se estes levarem seus portáteis -de celulares a laptops- consigo? O que eu acho sinceramente é que essa política de restringir é ultrapassada, e só faz sentido na cabeça de gente retrógrada. O que impediu algum dia que "coisas erradas" acontecessem fora da Internet? Funcionários que ficam "batendo papo de voz" com os colegas, algo mais antigo que a profissão mais antiga da existência, são muito piores que aqueles que perdem tempo navegando sozinhos na Internet, pois os primeiros ainda por cima atrapalham os demais, e isso não há firewall que impeça. Claro que eu não vou defender abusos, que devem sim serem combatidos quando notados, de preferência pessoalmente, mas está na hora de se pensar em flexibilizar essa coisa, e não em restringir mais ainda e ficar nessa perseguição eletrônica "ala Big Brother" que não se adequa a realidade vigente e menos ainda a futura, além de geralmente ser injusta, por ser uma monitoração arbitrária feita a distância, que geralmente desconsidera N variáveis da vida real. Ora, sabe-se lá se o estudante está usando a rede de relacionamento para pesquisar assuntos sérios nas comunidades? Fulano pode achar que essas redes servem só para namoro e perversidades, mas eu pessoalmente vejo infinita utilidade em muitos dos assuntos debatidos em muitas das comunidades do Orkut, por exemplo, que além de poderem organizar discussões relevantes, também promovem melhor integração entre os colegas, seja de diferentes turmas nas escolas ou diferentes setores nas empresas, algo que difícilmente acontece nas vias normais. Quanto ao crime, este está em todo lugar, e longe de ser "maior" na Internet.