Pesquisar este blog

sexta-feira, 12 de janeiro de 2007

O dilema da Apple

Como escrevi anteriormente, hoje em dia um celular não muito caro substitui com vantagens um player de MP3 que só toca MP3. Basta comprar um cartão de memória. A Apple pelo jeito percebeu isso e resolveu lançar um celular dela. No entanto se ela lançasse apenas "mais um celular" não ia fazer frente a um mercado já saturado, e o resultado é o anúncio de algo realmente inovador, o iPhone. O problema é que além de pagar 500 dólares, o usuário tem que assinar um plano de fidelidade de 2 anos com a operadora de celular, sendo que, segundo as notícias, mesmo nos EUA o mercado para celulares tão caros é muito pequeno. Meu senso me manda apostar que a empresa vai ser passada para trás no seu produto que se tornou mais popular até hoje, o player de MP3.

De qualquer forma é interessante o fato de que a empresa, que é a responsável pela popularização do PC através do Apple 2, tirou a palavra "Computer" de seu nome. "Apple Computer Inc." passa a ser "Apple Inc.", o que para mim é um sinal dos tempos em que o computador está deixando de ser feito para "nerds" e se tornando algo mais popular, graças ao advento da Internet cormercial. Não se trata apenas de aproveitar outros nichos de mercado. Em breve eu aposto que não haverá mais espaço para as CPUs cheias de HDs e ventiladores que utilizamos hoje.

A questão é qual formato deverá substituir o PC: UMPCs? iPhones? Videogames? Web-TVs? As opções são muitas. Talvez todos estes juntos decretem a morte do "PC com gabinete". Só o que eu não acredito é que a complexidade das instalações e manutenção de grandes softwares será para sempre. A palavra de ordem no "lado cliente" é simplicidade. Os nerds obviamente continuarão no outro lado da coisa, provendo essas facilidades para os usuários.
 
Enfim, pra variar a Apple tem a visão correta do caminho certo em relação a hardware, mas tende a continuar sendo no máximo "coisa para poucos". Paradoxal, mas é o jeito Apple de ser.

Nenhum comentário: