Pesquisar este blog

sexta-feira, 16 de março de 2007

Microsoft abandonando os nossos lares?

"Um computador em cada casa, em cada mesa". Apesar desta antiga frase de Bill Gates, o futuro da Microsoft parece ser se distanciar do usuário caseiro. A empresa afirmou recentemente que não pretende lançar Office online e que continuará apostando no software em pacote, principalmente por causa das corporações. De fato, mesmo que a tendência no lado cliente seja o emagrecimento do PC e o uso cada vez maior de aplicações online, provavelmente o lado servidor não mudará muito. Enquanto a memória flash começa a ser mais aceitável como substituta do HD em casa, os provedores de conteúdo continuarão precisando de upgrades constantes, pois as bases de dados apenas crescem exponencialmente. E a Microsoft não vai querer mudar de um modelo que garante o seu monopólio, aonde todos querem compatibilidade e portanto compram os mesmos softwares, para um terreno aonde ela jamais conseguirá dominar da mesma forma, que é o da Web 2.0, aonde ninguém precisa instalar nada para abrir um documento que foi criado por outra pessoa e no aplicativo de sua preferência. Interessante notar que a Microsoft foi a criadora das tecnologias que possibilitam o AJAX. Algo semelhante aconteceu com a IBM, que mesmo tendo inventado o PC jamais se desvencilhou do grande porte, área em que ela ainda domina. Então percebo que a gigante do software parece não estar mais se importando muito com as mudanças de hábito dos consumidores caseiros. A minha aposta atual é que ela pretende continuar a mesma, apenas focando mais em outro tipo de consumidor.

3 comentários:

moyu83415 disse...

Hello! Mozilla Firefox web browser has updated,Please visit my blog,Free download Quickly

Nelson Biagio Junior disse...

Marco, a grande questão é s seguinte: até quando este modelo de negócios adotado pela Microsoft se sustentará?

Abraços,

Marco Mugnatto disse...

Pelo que eu disse em meu texto, se sustentará para sempre, pois o lado dos provedores de conteúdo continuará necessitando de coisas instaláveis e comedoras de muita memória.