Pesquisar este blog

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Coisas que aconteceram em 2007

Ano acabando... Me lembrei das previsões que fiz ainda em 2006 para o ano de 2007. Vamos ver os resultados...

"- O Windows Vista não vai ter uma adoção muito grande pois sistemas operacionais estão ficando para segundo plano."

Essa aí foi perfeita. É só ver o que andam falando do Windows Vista por aí. Muita gente fazendo downgrade para XP por achar o Vista mais pesado que a máquina nova que compraram. Ocorre que, como eu disse, sistema operacional não é mais tão importante quanto acessar a Internet aonde quer que se vá, e as pessoas estão preferindo comprar um notebook menos parrudo e mais acessível do que fazer upgrade no computador de mesa "só para rodar o novo Windows" como muito comumente se fazia antigamente.

"- Não haverá um GoogleOS, pois o OS da Google é a própria Web, e a Google não é boba de tentar competir com a Microsoft em sistemas operacionais quando estes, repito, vão ter cada vez menos importância."

Acertei também. Em gênero, número e grau, modéstia a parte. Muita gente em 2006 apostava num "Google OS".

"- Aproveitando o desleixo proposital da Microsoft em relação ao Internet Explorer, alguém deverá finalmente lançar um browser voltado para a Web 2.0, com um Javascript mais robusto, capacidade de impressão decente, funções voltadas para comunicação assíncrona com o servidor e desenho de janelas e outros objetos. "

Infelizmente o browser que eu sonho ainda não surgiu. E minha opinião é que infelizmente ninguém além da Microsoft teria competência hoje para fazê-lo. Talvez a própria um dia resolva lançar. Ela ainda tem chance de dominar a era da Internet, por incrível que pareça, simplesmente porque só ela tem poder suficiente para isso. Mas não sei se ela hoje em dia é capaz de ter a ousadia necessária. Aparentemente não. A Microsoft parece mesmo ser a nova IBM.

"- A Microsoft não terá mais como evitar, e lançará finalmente seu pacote do tipo office, com planilha e editor de textos, para Web."

Como eu disse anteriormente a Microsoft parece mesmo ser a nova IBM, e a não concretização desta previsão em 2007 é um forte indicativo disso. A empresa de fato parece não ter pretensões de ser "a inovadora no mundo da Internet" e parece preferir se dedicar a outros nichos de mercado, além de manter o PC igual ao que era antes pelo tempo que conseguir.

Essas minhas previsões sobre a Microsoft foram pra mim minhas últimas esperanças em uma empresa que no passado foi adorada por todos nós, na época que ela nos trouxe para a era das interfaces gráficas. Mas se acostumou demais com isso e parou no tempo.

"- O laptop de 100 dólares voltado para crianças terceiro-mundistas será um fracasso, se não imediato, a curto ou médio prazo, mas servirá de ideia para o desenvolvimento de e-books e PCs magros comerciais que, estes sim, venderão cada vez mais, para públicos mais afortunados."

Caramba viu... Até hoje esse tal laptop se dá ao luxo de ser uma promessa, e ainda por cima quebrando a principal das promessas: custar 100 dólares. E eu acertei em cheio!!! Olha aí o Eee PC da ASUS, comercializado para "pessoas comuns" ao invés de crianças terceiro mundistas, e fazendo um sucesso estrondoso, que está estimulando muitas empresas a lançarem coisa semelhante.

Infelizmente o ebook ainda é apenas "promissor". E o problema é óbvio: o preço. A Amazon lançou o ebook reader dela, mas ainda com o mesmo preço salgado de sempre... Mas ainda acredito muito no potencial de um dispositivo assim para revolucionar o mundo, quando tiver preço de banana.

"- O livro eletrônico deverá começar sua revolução em 2007. O novo celular da Motorola com tecnologia de papel eletrônico (Motofone) deverá fazer um sucesso que talvez atinja inclusive o mercado para o qual ele não é voltado -das classes mais abastadas- e isso deverá empolgar o mercado em relação ao papel eletrônico. "

Já foi respondido acima. O tal do Motofone talvez até tenha vendido bem, não sei, mas fato é que passou desapercebido, já que quase ninguém sabe que o dito cujo usa tecnologia de papel eletrônico... As operadoras podiam ter feito propaganda dele explicando isso, mas não fizeram.

"- O desenvolvimento de aplicações Web 2.0 para gestão de empresas talvez tenha seu início em 2007, e ferramentas para desenvolvimento exclusivamente voltadas para a Web 2.0 como o ambiente de desenvolvimento Morfik talvez comecem a ganhar peso no mercado."

Que pena que o Morfik, provavelmente por ser australiano e não norte-americano, não fez o merecido sucesso. Tem também o problema de a empresa que o faz cobrar caro demais pela versão para uso comercial.

Mas enfim, fato é que a Web 2.0 ainda não deu o salto que devia dar (embora já seja hoje uma certeza e não uma dúvida), simplesmente porque ninguém tem competência suficiente para fazê-lo, repito. A Microsoft poderia, mas não quer.

Claro que se der tempo ao tempo, empresas menores ou mesmo a Google conseguirão chegar lá, mas está demorando mais do que poderia. Eu culpo a Microsoft.

"- 2007 deverá marcar também o ano em que o acesso a Internet via celular será tão importante quanto fazer telefonemas, e peça chave no sucesso das campanhas das operadoras."

Sim, se tornou peça-chave no sucesso das campanhas das operadoras, mas por enquanto como um serviço a parte ainda... A demora do leilão 3G (culpa do governo e, dizem, das operadoras também) atrasou essa evolução. Nos EUA eu imagino que já seja a mais pura realidade há um bom tempo, já que desde o início de 2007 lá já tinha várias opções de conexão 3G. Mas ei... aqui é Brasil...

"- O player de MP3 vai começar a ser deixado para trás pelos celulares que tocam MP3, com a Apple perdendo sua supremacia, mesmo que ela lance um celular dela."

heheheheh... a história mostra que apostar contra a Apple é um péssimo negócio... Não é que o celular dela (o iPhone foi lançado em 2007) fez ela ficar mais a frente do que nunca? De qualquer forma foi correto apostar que os celulares que tocam MP3 iriam começar a deixar os players para trás.

"- As vendas do iTunes também deverão estagnar em 2007, talvez inclusive entrando em declínio, evidenciando mais ainda o inevitável futuro de músicas para download a custo zero."

Estou procurando, mas não encontro números objetivos sobre as vendas do iTunes em 2007... Mas eu acredito que estejam de fato estagnando, até por não vermos eles cantando vitória. Apenas falam que ultrapassaram as vendas de CDs pela INternet, mas não encontrei comparações com as vendas do próprio iTunes em anos anteriores. O silêncio está muito esquisito... De qualquer forma sempre acreditei e continuo acreditando que música no futuro terá que ser gratuita pois ninguém mais vai querer comprar.

E termino a breve retrospectiva 2007 no mundo da informática citando os dois acontecimentos mais marcantes deste ano, no meu ver:

1- Foi o ano em que definitivamente o vídeo na Internet se tornou tão importante quanto a foto e o texto.

2- 2007 foi marcado também pela mudança de formato do PC usado em casa, eu diria. Todo mundo agora só quer saber de notebook, e o PC desktop está cada vez mais com uma imagem de "dinossauro".

Nenhum comentário: