Pesquisar este blog

terça-feira, 9 de setembro de 2008

Será que agora a Web 2.0 decola?

"Ou quem sabe a Google resolve fazer um browser"

Pois lançou. Não sei se a Google tem capacidade para tal, mas é praticamente certo que o objetivo dela com o lançamento do Google Chrome é fazer um browser voltado para as aplicações via Web, ou computação em núvens como está sendo chamado.

O sistema operacional tende a perder a importância e se tornar segundo plano. As APIs estarão no browser, e todas as aplicações tendem a migrar para dentro dele.

Os benfícios são vários, mas talvez o mais importante deles seja acabar ou diminuir sensívelmente o problema do "monopólio natural" do mundo da informática, aquele que acaba por obrigar as pessoas a usarem todas elas o mesmo aplicativo para poder abrir documentos tanto em casa como no trabalho e no vizinho.

Com as aplicações na Web, basta fornecer ao colega um link. Ele não precisa ter o aplicativo instalado. Clicando no link, ele abre tanto o documento como a aplicação online que o criou.

É como se todo mundo tivesse todos os aplicativos existentes no planeta pré-instalados em suas máquinas. Logo, o atrito para se experimentar novas aplicações se torna praticamente nulo.

O modelo de se ganhar dinheiro através de anúncios por sua vez, também disseminado pela Google, se encarrega de gerar receita neste mundo aonde quem se fechar estará fora do jogo. Pode ser que hajam planos "premium", "gold", coisas assim, mas sempre será possível experimentar, visualizar e utilizar recursos básicos de qualquer dos aplicativos sem atritos, nem mesmo o atrito da instalação dos softwares.

Quem tentar fugir a isso será fatalmente abocanhado por algum aplicativo concorrente em pouco tempo, por este concorrente estar facilmente disponível a qualquer um com um simples clique de mouse, e de maneira viral, já que esse clique será feito a partir de um link exposto por um colega que envie um documento feito nesta aplicação alternativa.

Esta vantagem os Dvoraks (que tem criticado a computação em núvens) da vida deveriam louvar.

Nenhum comentário: