Pesquisar este blog

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

A fonte da inovação tecnológica está secando

Torçam para eu estar errado, mas meu prognóstico para a evolução tecnológica não é muito bom. Eu prevejo que vamos entrar numa crescente estagnação tecnológica.

O que ocorre é que se você deixar paixões políticas de lado, perceberá que a iniciativa privada até hoje teve poder apenas para popularizar aquilo que antes ficava restrito aos militares e agências espaciais norte-americanas e soviéticas.

Quem dá grandes saltos é sempre o estado.

Pesquisando publicações de épocas diferentes se nota que até meados dos anos 70 ainda se dava grandes saltos tecnológicos, a maioria deles longe do acesso do grande público.

De lá para cá as pessoas tem a impressão de que a evolução tecnológica é algo impressionantemente desenfreado. Mas, contrariando as impressões da maioria das pessoas, no meu ver isso não passa de ilusão.

Na verdade estamos, dia após dia, apenas passando a ter acesso em casa a mais e mais tecnologias vindas de várias décadas atrás. A Internet por exemplo é tecnologia militar dos anos 60 que hoje se popularizou.

A verdade é que desde os anos 70 não se viu mais nenhum grande salto tecnológico. O fim da guerra fria parece ter esgotado a vontade do estado norte-americano de realizar grandes inovações. Não tem mais competição nesse nível de coisas, então sobra comodidade.

Talvez ainda haja muita coisa do passado para se popularizar em outras áreas como por exemplo na aviação. Por volta de 1970 foi lançado o Jumbo 747 e de lá pra cá muito pouca coisa mudou. No entanto os aviões de passageiros ainda não são supersônicos, coisa que os militares já fazem há muitas décadas. O Concorde, que fazia viagens na metade do tempo, provou que ainda tem coisa pra se fazer na aviação comercial, mas infelizmente foi desativado, imagine lá os motivos né. Pode ser que mais cedo ou mais tarde resolvam lançar um novo "Concorde", e todos terão a falsa impressão de que a tecnologia continua evoluindo a passos largos.

O problema é que a informática não parou no tempo. Os avanços, mesmo que não passem de "popularizações de coisas antigas" como eu falei, não param na informática. E a consequência lógica, se eu estiver correto, é que a fonte de "antigas tecnologias que agora você pode ter em casa" vai se esgotando muito rapidamente, já que o estado parou por falta de interesse político.

Penso que para que a computação quântica se torne realidade em breve em nossas casas seria necessário que o acelerador de partículas já estivesse em pleno funcionamento há muitos anos atrás, só para citar um exemplo.

Tomara que eu esteja enganado, mas acho extremamente difícil não atingirmos em breve o início de um longo período de estagnação tecnológica naquilo que temos acesso em casa, independente de crises mundiais.

2 comentários:

Anônimo disse...

De certa forma faz sentido. Mas a questão é que tecnologias como a televisão, o telefone celular, o Ipod e a música digital, e obviamente a internet, estão mudando a maneira como vivemos, nos relacionamos e vemos o mundo. E esta tendência parece que vai continuar aumentando, pelo menos por um bom tempo. Talvez por enquanto aparentemente não haja mais tantas "grandes invenções". Por enquanto, mas acho que ainda há grandes projetos. O importante é perceber que a adaptação e o desenvolvimento de tecnologias que já conhecemos certamente continuará cada vez mais alterando nosso modo de viver e interagir com as pessoas e com o mundo.

Marco Mugnatto disse...

Excelente colocação do Anonimo.