Pesquisar este blog

quinta-feira, 12 de maio de 2011

Desmistificando a nuvem com respostas curtas

"Eu não vou de jeito nenhum por todas as minhas informações na Internet"

Há realmente alguma coisa nos seus dados informatizados que você já não tenha enviado ao menos por e-mail alguma vez? Se parar pra pensar aposto que a resposta será "não". Diferença entre ir por e-mail e "estar na nuvem" = nula.

"Se o servidor da Google pifar, você perde tudo"

Eles tem vários servidores e backups em mais de um lugar diferente. É muito mais fácil o seu HD pifar e você não ter nenhuma cópia de segurança.

"Se a conexão cai, você fica sem acesso aos seus dados"

1- Se a luz cai você fica sem acesso no offline também. Tem no-break? A maioria das pessoas que eu conheço hoje em dia tem uma conexão 3G, além da conexão fixa, o que dá no mesmo.

2- Na computação offline basta você ir para longe do seu PC que você já fica sem acesso aos seus dados, mesmo que acesse outro PC, a não ser que se tenha toda disciplina e tempo do mundo para sincronizar religiosamente um pendrive com os dados, e que tenha, no outro PC, o software necessário para abrir e visualizar os arquivos, lembrando que, na nuvem, tanto dados como software estão, na nuvem! E então? Na prática, qual método deixa você com acesso aos seus dados por um período maior de tempo?

"Qual a segurança de ter meus dados disponíveis na Internet?"

Talvez você preferia a época do Back Orifice? Fato é que se o seu computador está conectado, os dados nele estão passíveis de serem lidos por algum hacker. Ou então talvez preferia a época mais antiga ainda dos trocentos virus que vinham por disquete e que causavam danos aos arquivos, sem uma Internet pra atualizar o antivirus?

"A Web é muito lenta"

Diziam o mesmo quando trocaram o DOS pelo Windows, mas o Windows era multitasking. Sempre há vantagens que compensam as desvantagens. Grande parte das operações via Web tem mais agilidade porque dividem os recursos entre o servidor e a máquina cliente, o que tem possibilitado o uso de hardwares menos potentes como celulares, tablets e netbooks. Imagine rodar um Google Maps com StreetView e tudo num celular offline...

"Como vou ouvir minhas músicas?"

Você tem 5000 MP3 no seu HD? Ótimo. Em serviços de streaming como Grooveshark se tem acesso a milhões e milhões de músicas a qualquer momento.

"É uma volta ao mainframe"

Exceto pelo fato de que na época as aplicações que você talvez tivesse acesso em casa gastando fortunas com um modem pela rede telefônica seriam aquelas que o mainframe do seu trabalho disponibilizasse, e em textos verdes com fundo preto. A Internet "popularizou o mainframe" em todos os sentidos.

"E sobre jogos?"

No início da era Windows só havia Solitaire e Minesweeper. O resto era pra DOS. Além da Web ter uma infinidade de jogos simples e outros nem tão simples, jogos complexos por streaming já são realidade nos EUA. Questão de tempo.

Nenhum comentário: